12 de janeiro de 2018 by integrasul

Hackers invadem site da prefeitura de Jóia e cobram pagamento de 4 mil dólares em bitcoin

Hackers invadiram o sistema virtual da prefeitura da cidade de Jóia, no Noroeste do Rio Grande do Sul, e pedem resgate para permitir que os computadores voltem a funcionar. Eles conseguiram impedir o acesso dos funcionários a quase todos os programas. Com isso, muitos dos serviços à população estão interrompidos. Site da prefeitura continua fora do ar.
O ataque virtual surpreendeu até os policiais que investigam o caso. Os bandidos pedem um valor de 4 mil dólares e exigem que seja pago em bitcoin, uma moeda virtual criada em 2008 e que não é regulamentada por nenhuma autoridade financeira.
Na última segunda-feira (8), quando os funcionários chegaram para trabalhar, não conseguiram acessar o sistema. Inicialmente, acharam que era algum problema com a rede. No final da tarde, receberam uma mensagem com um endereço de e-mail para entrar em contato. Foi quando descobriram que se tratava de um ataque hacker.
Sem acesso aos programas, os funcionários não conseguem atender a população, desde então, e boa parte dos serviços está parado.
“Todo sistema de tributação, de pagamento, recebimento, compras, empenhos, nada disso está funcionando. O setor de pessoal não está nada funcionando, as férias de servidores não conseguem ser empenhadas, nada disso está acontecendo”, detalha o contador Jacson Pinheiro.
Para liberar o acesso aos dados do sistema, os criminosos exigem que o pagamento dos 4 mil dólares seja feito na moeda bitcoin. Porém, segundo a Polícia Civil, por ser uma moeda virtual, que não deixa rastros, dificulta a investigação.
Na cidade de pouco mais de 8 mil habitantes, o crime surpreendeu até a polícia.
“É inédito, um crime diferenciado, novo, que não acontecia até agora”, explica o titular da Delegacia Regional, Ricardo Miron.
A prefeitura de Jóia diz que não vai pagar e já encaminhou o computador para uma empresa em Porto Alegre, onde os técnicos tentam há dois dias recuperar os arquivos. O Executivo ainda não fez um levantamento dos prejuízos, mas teme que documentos valiosos da administração acabem se perdendo.
“Toda a movimentação financeira estava armazenada nesse sistema que foi bloqueado. Se nós não conseguirmos desbloquear esse sistema infelizmente esses dados vão ser perdidos”, diz o prefeito Adriano Marangon.
Para não prejudicar a população, as datas de cobranças de alguns tributos como água e IPTU foram prorrogadas.

Fonte: g1.globo.com

Deixe uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *